segunda-feira, 19 de julho de 2010

Usina Sodré – Patrimônio Sem Acesso

A área onde está situada a usina Sodré, no bairro dos Pilões, em Guaratinguetá, originou-se da antiga fazenda ou sítio denominado Sodré, com extensa superfície, segundo testemunhas de época, Benjamin Teixeira Guimarães e José Benedito Alves. O primeiro proprietário foi Antônio Clemente dos Santos (primeiro prefeito de Guaratinguetá no período da regência), segundo os embargos inclusos no processo de divisão das terras movido pela Companhia Luz e Força de Guaratinguetá contra Manuel Jacinto Pereira e outros, considerados condôminos da unidade agrícola, entre elas, a Companhia Imobiliária Brasileira, com sede na cidade de São Paulo.
Chamados ao processo, vários interessados apresentaram escrituras provando posse legítima das terras, sendo contestados pela companhia responsável pela usina, em 1921 (Museu Frei Galvão/Arquivo Memória de Guaratinguetá – Maço 122 – 1º Ofício).
Pelos documentos apresentados, a filha de Antônio Clemente dos Santos, Dona Pórcia Francisca dos Santos recebeu parte das terras em herança e vendeu-as à Companhia Imobiliária Brasileira (em 1927, entrou em demanda com a Companhia de Força e Luz pelas mesmas terras).
Outros proprietários, na segunda metade do século XIX, foram Manuel Jacinto Pereira, Jacinto Feliciano Martins, Barão da Bocaína, Manuel Inocêncio de Moura Marcondes, Comendador Manuel Jorge Gonçalves Campos e, por ocasião do processo, mais de 30 proprietários.
Atualmente pertence a uma autarquia do governo e o acesso é restrito, sendo necessária autorização e agendamento.
Parece mais um patrimônio fadado ao destino de desaparecer.

Imagens: Fotografias da Antiga Usina Sodré. Acervo do Museu H.P. Conselheiro Rodrigues Alves.

4 comentários:

  1. ola seu joaquim..meu nome é paulo morei nesta usina por 11anos na década de 90 meu pai era funcionario dela, gostava muito de morar la melhor fase e lugar da minha vida os rios e cachoeiras para brincar e mata fechada com varios bichos da natureza, pois meu pai aposentou e tivemos que nos mudar, uma pena..porque depois privatizou e mais tarde infelismente a usina fechou ficando quase abandonada...muito obrigado por estas fotos que nem sabia que existia e parabens pelo trabalho e sucesso..paulorrtoledo@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Caros leitores será que agora é possível fazer uma visita? Como seria o procedimento? Meu avô foi uma das pessoas responsáveis pela sua construção. Obrigado, Fred (fred@programma.com.br)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frederic é possivel agendar, o meu tio que ainda trabalha la!
      Entre em contsto comigo no email susyyy@hotmail.com

      Att

      Excluir